segunda-feira, 30 de março de 2009

Poema (para o sono e a noite)...


"Folha, inimiga de outra folha, inimiga do
ramo, inimiga da árvore...". Assim falou a
água, assim confirmou o vento. E a folha
foi expulsa da árvore. Sacudida,
tombou no ar, planou até tocar o solo.
Depois a boca da terra mastigou-lhe
as rígidas nervuras, absorveu todo o verde
ainda tenro, misturando-o com
a água. " Não importa", disse
para si mesma, a folha. "Voltarei
a subir pela raiz".
Joaquim Pessoa, À Mesa do Amor
Imagem (C) Soizick Meister
Enviar um comentário