sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Assemelha-te de novo à árvore que amas
















Assemelha-te de novo à árvore que amas,

a árvore de grandes ramos :

silenciosa e atenta,

ela deixa-se pender sobre o mar.





F. Nietzsche

Imagem © Google Images

2 comentários:

Méon, disse...

Imagem ... palavras...
Um poema que ressoa, solene, magestoso. Como as grandes árvores.

Bjnhs

avelaneiraflorida disse...

Méon,


as árvores que tantos persistem em cortar...

mas que morrem de pé!!!!

Beijinho,