quarta-feira, 3 de março de 2010

Para o meu poeta da manhã...

À pancada da onda contra a pedra hostil
a claridade rebenta e decreta a sua rosa
e o círculo do mar reduz-se a um cacho,
a uma gota única de sal azul que tomba.

Oh radiante magnólia desatada na espuma,
magnética viajeira cuja morte floresce
e eternamente volta  a ser e a não ser nada:
sal destruído, ofuscante agitação marinha.

Juntos, meu amor, selamos o silêncio,
enquanto o mar destrói suas estátuas perenes
e derruba as suas torres de êxtase e loucura,

porque na trama destes tecidos invisíveis
da água desenfreada, da incessante areia,
mantemos a perseguida e única ternura.

Pablo Neruda

in Antologia, Relógio d'Água,1998

Pintura (C) Max Ernst
Enviar um comentário